“Não vem o reino de Deus com visível aparência. Nem dirão: Ei-lo aqui! Ou: Lá está! Porque o Reino de Deus está dentro de vós.” (Lucas 17:20,21)

Quando entendemos que o Reino de Deus está dentro de nós, entramos no desafio de descobrir que nossa responsabilidade se ampliou. Quando entendemos sobre o Reino e não nos posicionamos, somos considerados súditos do Rei e revelados ignorantes aos direitos que os príncipes têm por direito.

O que Jesus queria dizer?

Quando Jesus disse: “Não vem o reino de Deus com visível aparência. Nem dirão: Ei-lo aqui! Ou: Lá está! Porque o Reino de Deus está dentro de vós.” (Lucas 17:20,21). O que Ele quis dizer com isso? Havia um questionamento dos escribas, que apontava para um reino distante, inatingível, impossível de ser alcançado, como se uma geração não pudesse nunca tomar posse, pois era construído por outras pessoas e interpretado por líderes acadêmicos.

Jesus, como sempre, surpreende-nos, faz-nos repensar e eleva nossos conceitos, mostrando que o Reino de Deus é uma chave acionada no caráter, que não é de fora para dentro, mas de dentro para fora. Que o conceito do Reino não é interpretativo, mas vivenciado por aqueles que conhecem o Rei, e andam rigorosamente cumprindo os Seus princípios. É uma mudança de vida, introduzida pelo novo nascimento e ampliada pelo conceito correto de quem é o Rei e quem somos no seu Reino.

Anunciar ‘O Reino de Deus chegou’ é desafiar uma geração a promover o Rei e o que Seu Reino tem e exige de cada indivíduo que deseja mergulhar nessa promessa e consolidar esses princípios. Ninguém melhor do que Jesus e o Apóstolo Paulo para ensinarem sobre os princípios que devem ser vividos e o que precisa ser eliminado, apresentando o que é o Reino e o que não é o Reino.

Em Romanos 14:17, Paulo diz que o Reino de Deus não é o que nós pensamos, mas o Reino de Deus é o que o Rei exige. “Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo.” (Romanos 14:17)

A cultura romana era glutônica, ritualista em demasia, adorava o deus sol como sinal de luz para o caminho. No ritual do solstício, eles bebiam exageradamente e se davam à glutonaria, a ponto de instalarem vomitórios para fazerem o depósito dos seus vômitos após as suas orgias e prazeres da carne.

A Igreja recém-nascida via que os reinos financiavam essas festas, e, por liberarem muita comida, eles se banqueteavam, inclusive, em rituais em coliseus, bancados pelo rei. Eles liberavam comidas e bebidas, e ainda se divertiam, assassinando pessoas que eram contra o rei, para divertimento do público e para alimentar o sarcasmo do rei e dos seus súditos, do mais baixo escalão ao mais erudito dentre eles.

A Igreja absorveu essa cultura e costume, por isso Paulo discute esse assunto com tanta propriedade, para explicar o que é o Reino e o que não é o Reino, e desmistificar da mente da Igreja os conceitos internalizados, pois alguns fiéis queriam servir a Deus na mesma dimensão do culto a Cesar, com os interesses particularizados e interpretativos, de que a Igreja tinha que assumir os banquetes dos desejos da carne.

Por isso, você verá como Paulo é implacável no capítulo 14 da Carta aos Romanos, elucidando a questão do Reino de uma forma muito contundente. Podemos avaliar que a visão de Paulo é extremamente polida, e que não se tem nenhum tipo de negociação nem barganha para servir a Deus.

Falar isso para nós, que não temos o hábito de cultuar reis e imperadores, embora, alguns os sirvam como se fossem deuses, não nos dá a dimensão da guerra em que Paulo estava entrando ao desafiar os poderosos e deixar esses documentos celebrados para nossa geração, assim como foi para a geração dele e será para as gerações futuras se o Messias não voltar.

O que Paulo, Apóstolo do Senhor Jesus, o Cristo, advoga nessa Carta aos Romanos, nesse versículo tão contundente? O que comporta no Reino de Deus e o que não comporta no Reino de Deus. E isso ele faz com uma propriedade sem fim, e provoca uma revolução em meio aos romanos, que precisavam absorver uma anticultura, e como era do caráter de Paulo, experimentar o bom, perfeito e agradável, pela renovação da mente.


Continua...

Visualizações: 442

Plano de Leitura Bíblica

06 Jul
I Samuel 18
Isaías 62
Mateus 7

07 Jul
I Samuel 19
Isaías 63
Mateus 8
08 Jul
I Samuel 20
Isaías 64
Mateus 9
09 Jul
I Samuel 21 e 22
Isaías 65
Mateus 10
10 Jul
I Samuel 23
Isaías 66
Mateus 11
11 Jul
I Samuel 24
Jeremias 1
Mateus 12
12 Jul
I Samuel 25
Jeremias 2
Mateus 13