“Muitos, pois, dos seus discípulos, ouvindo isto, disseram: Duro é este discurso; quem o pode ouvir? Sabendo, pois, Jesus em si mesmo que os seus discípulos murmuravam disto, disse-lhes: Isto escandaliza-vos? Que seria, pois, se vísseis subir o Filho do homem para onde primeiro estava? O espírito é o que vivifica, a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos disse são espírito e vida. Mas há alguns de vós que não crêem. Porque bem sabia Jesus, desde o princípio, quem eram os que não criam, e quem era o que o havia de entregar. E dizia: Por isso eu vos disse que ninguém pode vir a mim, se por meu Pai não lhe for concedido. Desde então muitos dos seus discípulos tornaram para trás, e já não andavam com ele. Então disse Jesus aos doze: Quereis vós também retirar-vos? Respondeu-lhe Simão Pedro: Senhor, para quem iremos, tu tens as palavras da vida eterna; e nós, temos crido e conhecido que tu és o Santo Deus. Replicou-lhes Jesus: não vos escolhi eu em número de 12, contudo, um de vós é o diabo, referia-se ele a Judas, filho de Simão Iscariotes, porque era quem estava para traí-lo sendo um dos 12.” (João 6:60-71)

A primeira traição de uma equipe nasceu de um dos 12. A primeira desistência de um da equipe foi um dos 12. A primeira mentira foi de um dos 12. A primeira negação do Nome foi de um dos 12. A primeira traição foi de um Apóstolo. A primeira desistência foi de um Apóstolo. A primeira mentira foi de um Apóstolo. A primeira negação do Nome, da identidade de quem era o Messias, foi de um Apóstolo.

Fiz uma ministração, específica para um encontro que mostra a diferença entre grupo e equipe. Dificilmente, você ouvirá que um grupo de resgate esta se esforçando. Mas você ouve falar em equipe de resgate. Os grupos desistem, mas as equipes são persistentes. Quando somos equipe não desistimos nunca. A equipe se esforça, o grupo não. Por isso, não nos interessa ter um grupo de 12. Nosso interesse é que sejamos equipe de 12 porque na hora da crise, de uma situação, a equipe fica.


Diversos níveis de desistências precisam ser vencidos

Encontramos diversos níveis de desistência. Jesus é o líder mais corajoso que conheço. Ele não disse que alguém em Sua equipe estava passando por crise de identidade, variação, pressão psicológica etc. Ele disse que um dos 12 era diabo. Era como se estivesse disposto a falar tudo que estava com vontade.

Há um dia no qual, se não soubermos fazer o bom uso de nossa autoridade, podemos perder tudo o que Jesus nos entregou. O mesmo acontece se você é pai, empresário, se não souber agir corretamente no dia específico, impondo sua autoridade, pode perder tudo o que conquistou. Mas graças a Deus que há pistas na Bíblia que nos dão noção, sinais para crescermos, batismos de sabedoria para que cada dia possamos crescer em Deus e sermos acrescidos em nossa vida.

Na história, Jesus foi muito paciente com os 12. Ele foi doutrinador, ensinador, conviveu com os 12, derramou da Sua vida sobre eles e não tinha nenhuma dívida com eles. É bom sabermos que não devemos nada às pessoas com quem convivemos. Jesus não devia nada para os discípulos, a não ser o amor. Não havia dívida moral, ética etc. Não há nada pior para o líder do que estar na mão do liderado. Jesus era assim: não devia nada aos discípulos. Tudo o que fazia era por amor. Ele estava fazendo um favor redentivo de vir dos céus à Terra para nos salvar. Por isso, disse que se os discípulos soubessem o lugar onde estava e que teve que deixar para vir à Terra, se escandalizariam.

Em outras palavras, Jesus estava dizendo que para estar no meio deles, precisou descer de onde estava. Era um dia em que Ele estava disposto a abrir o coração para os 12. Não era que os 12 estavam falando algo para Jesus que Ele precisasse responder dessa forma, mas porque sabia que havia murmurações no coração deles. E Jesus, interpretando, interpelou dizendo que se o que Ele falava escandalizava os discípulos, então, falaria ainda de forma mais dura.

O que aconteceu? Os seguidores foram embora. Então, não se preocupe se os seguidores vão embora. Há pessoas que se intitulam discípulos, mas não são. Há pessoas que se nomeiam discípulos, mas não são. Quando somos discípulos, conhecemos a persistência. Os verdadeiros discípulos são aqueles que sabem passar as horas boas com o mestre, mas o êxito desses discípulos consiste, principalmente, em saber passar as horas ruins com o mestre. Isso é provado no caráter do discípulo.

Naquele dia específico, Jesus chegou a revelar que um deles era diabo. Mas João, o autor deste Evangelho, escreve que Ele se referia a Judas Iscariotes, aquele que iria traí-lO, apesar de ser 12. O importante aqui é saber que eu e você não temos o direito de caçar diabos na equipe. Não temos o direito de ficar, sequer, pensando que estamos formando indivíduos endiabrados, endemoninhados, porque a nossa missão é formar santos para Deus, uma geração de homens e mulheres apaixonados por Cristo Jesus.

Continua...

Visualizações: 950

Plano de Leitura Bíblica

20 Set
I Crônicas 3
Ezequiel 16
Lucas 12

21 Set
I Crônicas 4
Ezequiel 17
Lucas 13 e 14
22 Set
I Crônicas 5
Ezequiel 18
Lucas 15
23 Set
I Crônicas 6
Ezequiel 19
Lucas 16
24 Set
I Crônicas 7
Ezequiel 20
Lucas 17
25 Set
I Crônicas 8
Ezequiel 21
Lucas 18
26 Set
I Crônicas 9
Ezequiel 22
Lucas 19