“Amado, desejo que te vá bem em todas as coisas e que tenhas saúde, assim como bem vai a tua alma.” (III João 1:2)

De cada três mortes no mundo, duas são de homens. No Brasil, eles também morrem mais jovens. Pesquisas mostram que os homens brasileiros vivem 7,2 anos menos que as mulheres. Os números são alarmantes e podem ser justificados por diversos fatores.

Um estudo publicado no periódico Harvard Men’s Health Watch, afirma que a vida atarefada dos homens, que costumam ter longas jornadas de trabalho, prejudica a saúde, mas não é só isso. Nessa lista estão ainda: fatores biológicos, sociais e comportamentais, a alimentação ruim, estresse, tabagismo e uso de álcool.

- O estresse prejudica a saúde do coração

A vida agitada, a correria do dia a dia, a pressa no trânsito... Tudo isso contribui para o aparecimento de doenças cardiovasculares. O estresse pode ser um gatilho perigoso para o infarto.

- O perigo do trabalho em excesso

Ter uma jornada de trabalho de 10 horas ou mais por dia eleva em 60% o risco de desenvolver problemas cardíacos.

- Alterações hormonais

Quando o homem apresenta alterações como dificuldades para conseguir ter ou manter a ereção, resistência à atividade física e necessidade de urinar com maior frequência, ganho de peso e perda de cabelo, são necessários exames laboratoriais para checar as alterações dos hormônios e a necessidade de reposição hormonal.

- Descuido com a alimentação

Os homens costumam preferir mais as carnes vermelhas e gorduras saturadas (frituras) do que as frutas e os vegetais. Esse mau hábito aumenta os riscos de doenças cardíacas e ainda favorece o excesso de peso. E cabe mais um alerta: Os homens costumam acumular gordura na região abdominal, o que apresenta mais riscos à saúde do que a gordura dos membros inferiores do corpo (típico das mulheres), aumentando os riscos de problemas cardiovasculares, derrames, hipertensão e diabetes.

- Vícios

Hábitos como fumar, beber e usar drogas são classificados como fatores sociais mais frequente entre os homens. O tabagismo masculino também está associado a problemas de fertilidade, além de alterações nos níveis hormonais.

Influências Culturais

Além de toda essa lista de maus hábitos que contribuem para as mortes mais prematuras de homens, outro problema é que eles não vão ao médico com a mesma frequência que as mulheres.

Uma pesquisa online encomendada pelo sistema hospitalar Orlando Health nos dá uma noção do que afasta os homens dos consultórios. Veja algumas justificativas:

- Coisas demais a fazer: Muitos dos entrevistados alegaram trabalhar demasiadamente, fazer outras atividades e não ter tempo para ir ao médico.

- Medo de descobrir qual pode ser o problema de saúde: Esse receio pode estar ligado ao fato do homem ter a responsabilidade de ser provedor da casa e de se preocupar em adquirir uma doença e ter que desamparar a família.

- Vergonha: Exames médicos como o de toque retal são considerados constrangedores.

Saúde Emocional

Ansiedade, depressão, suicídio... As doenças emocionais atingem cada vez mais os homens. E esse número cresce pela resistência em buscar ajuda psicológica e conversar sobre os próprios sentimentos, acreditando que a exposição demostrará algum sinal de fraqueza.

De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde, aproximadamente 1 milhão de pessoas no mundo tiram a própria vida por ano. Os homens lideram o ranking de suicídio na grande maioria dos países. Em 2018, os registros de suicídios no Brasil aumentaram 34%, e acompanhando as estatísticas mundiais, no topo do ranking estão os homens, correspondendo a 79% do total de óbitos registrados. Cerca de 90% das pessoas que cometeram tentativas ou que chegaram a se suicidar, apresentavam algum tipo de transtorno mental, seja afetivo, de ansiedade ou de personalidade.

A sociedade atual dita um estereótipo de homem cada vez mais complexo e inatingível: Bonito, inteligente, rico, atleta e viril. E muitos, na tentativa de atingir esse padrão, acumulam frustrações e tristezas.

Os conceitos impostos pela cultura ocidental ensinam os homens que eles não devem chorar, não devem demonstrar as suas emoções, pois isso é contrário ao ideal de masculinidade. Isso trouxe, ao longo do tempo, resultados catastróficos para as emoções dos homens que, na maioria das vezes, não falam sobre as suas dores e fraquezas, e não procuram ajuda, porque isso é visto como um sinal de humilhação. Esse silêncio fabricou homens frágeis emocionalmente escondidos por trás de armaduras, com dificuldade de se expressar, de demonstrar amor, e de viver uma masculinidade saudável.

E como achar uma solução?

E preciso falar, sentir, enfrentar essa questão de frente. Reflita sobre alguns aprendizados que podem ter sido assimilados e transformados em crenças, deixando marcas tão fortes que limitam uma atuação livre dos homens:

- “Homem não chora”. Quantos não ouviram os pais falarem isso toda vez que caíram ou se machucaram de alguma maneira? “Não foi nada! Engole o choro! Você é forte!”. De tanto ouvir essas frases, os homens acostumaram a suportar a dor e o choro ficou associado à fraqueza e não à masculinidade.

- Mostrar coragem a qualquer custo. “Vai lá se você é homem”. Essa também é uma frase que foi e continua sendo ouvida por muitos homens que são incentivados a demonstrar coragem e a enfrentar situações, muitas vezes com violência, como se isso fosse uma forma de provar virilidade o que faz com que muitos tenham a tendência de reagir de maneira impulsiva com violência física diante de uma ameaça ou conflito.

- Não falar sobre sentimentos. Expor sensibilidade, vulnerabilidade, medo, ansiedade e insegurança são comportamentos reprovados em muitas famílias, pois são vistos como sentimentos femininos.

Qual o caminho para uma Masculinidade saudável

Existe uma frase que diz que: “Não é preciso provar que você é homem, basta ser”. Isso significa deixar a essência de homem, criada por Deus, fluir, naturalmente. Reconhecer as fragilidades e buscar ajuda, aconselhamento e conhecimento também podem fazer grande diferença.

Buscar autoconhecimento e procurar saber quais são as fraquezas, as forças, os limites, as verdades, os propósitos. Olhar para dentro de si mesmo e se enxergar, buscando respostas e pontos de mudança e avanço.

Que você, homem, entendendo quem você é em Deus, possa refletir sobre tudo o que aprendeu no passado, identificando quais as suas crenças e percebendo se você está cumprindo o seu papel com responsabilidade, mas também com amor e alegria. E que você também possa contribuir para formar uma geração de homens santos e de valor para essa sociedade.

Visualizações: 230