“E porei em vós o meu Espírito, e vivereis, e vos porei na vossa terra; e sabereis que eu, o SENHOR, disse isto, e o fiz, diz o SENHOR.” (Ezequiel 37:14)

No dia 14 de Maio, o MIR se uniu ao povo judeu para comemorar os 70 anos da fundação do Estado de Israel. Um fato histórico, mas que teve também um peso extraordinário e glorioso porque marcou o cumprimento de uma profecia bíblica: o retorno do povo de Deus à Terra Prometida, depois de mais 2 mil anos de exílio e perseguições.

É a restauração do “vale de ossos secos”, garantida pelo Eterno no livro de Ezequiel, algo muito significativo já que, mesmo vivendo espalhados, geração após geração, os judeus sempre preservaram a sua identidade como nação e mantiveram acesa a esperança de voltar ao seu território, motivados pela força da promessa feita pelo Senhor a eles, através do patriarca Abraão.

O aniversário da independência começou a ser comemorado antecipadamente em Israel no dia 18 de Abril, data do Yom Hazikaron, em memória e em respeito aos chamados Soldados Caídos, que morreram no conflito árabe-israelense, em 1948. Contudo, o ápice da comemoração foi o dia 14 de Maio, data da declaração da Independência do domínio britânico e criação do Estado de Israel. Neste dia, também houve um importante acontecimento que teve grande repercussão internacional, a inauguração da embaixada dos Estados Unidos na capital Jerusalém, ratificando o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel, significando o reconhecimento da soberania dos judeus na região e consolidando a verdade na qual os judeus acreditam e pela qual sempre lutaram: Jerusalém é sua capital eterna e indivisível!

A CRIAÇÃO DO ESTADO DO ISRAEL

O povo judeu passou dois milênios espalhado pela Terra, sem ter um território fixo. Foi só no final do século 19 que começaram a retornar ao antigo reino de Israel, então território da Palestina, já ocupado por árabes, o que ocasionou severos conflitos entre os dois povos.

Em 1947, a Organização das Nações Unidas (ONU) decidiu criar o Estado de Israel, dividindo o território da Palestina em dois. O brasileiro Oswaldo Aranha era presidente da Assembleia Geral da ONU e foi ele quem anunciou a aprovação da Resolução 181, que decretava a formalização de Israel.

Em 1948, logo após a declaração de independência de Israel, começou o conflito conhecido pelos judeus como a Guerra da Independência. A guerra acabou em 1949 e anualmente o povo celebra a conquista que teve, como agora, ao completar 70 anos.

Visualizações: 370