“Depois disso manifestou-se sob outra forma a dois deles que iam de caminho para o campo, os quais foram anunciá-lo aos outros; mas nem a estes deram crédito. Por último, então, apareceu aos onze, estando eles reclinados à mesa, e lançou-lhes em rosto a sua incredulidade e dureza de coração, por não haverem dado crédito aos que o tinham visto já ressurgido.” (Marcos 16:12-14)

A Bíblia mostra que após Jesus ressuscitar, Ele apareceu aos discípulos, que estavam assentados à mesa. Mas o Mestre não os cumprimentou, antes, os censurou, porque estavam contaminados com incredulidade.

Se o Senhor tivesse encontrado aqueles homens, com os quais havia caminhado e discipulado cada um, pessoalmente, debaixo da unção, com certeza teria dito: “Que bom encontrar vocês! Muito me alegra vê-los juntos em comunhão, à mesa. Vou me sentar e cear com vocês”. Mas, não foi essa a atitude de Jesus. Talvez você já tenha lido esse texto e não tenha entendido que o fato do Senhor tê-los repreendido foi para mostrar para mim e para você que Ele não compartilha de uma mesa que não está interessada nEle nem quer beber dEle, mas que está imersa na incredulidade e anulando os ensinamentos recebidos.

O que quer dizer o assentar à mesa?

No contexto hebraico, assentar à mesa significa que você pode ser contaminado ou purificado. Quantas vezes já não fizemos reuniões e saímos infectados? Você pode estar infectado ou purificado, dependendo do que fala à mesa.

Temos que entender que o assentar à mesa nos fará homens e mulheres de êxito ou derrotados. À mesa, só há uma, de duas condições: Ou nos parecemos com os outros que estão conosco, ou os que estão conosco se tornam iguais a nós. Um dia, Jesus foi criticado por estar assentado à mesa com pecadores (Marcos 2:15-16). Ora, Jesus havia assumido a forma humana, e mostrou que mesmo como homem era possível viver irrepreensivelmente. Ele sentava à mesa com pecadores, mas não fazia as mesmas coisas que os homens faziam, pelo contrário, através do Seu testemunho, as pessoas eram motivadas a buscar transformação. E, de fato, elas eram transformadas.

E aqui eu quero deixar uma pergunta a você: Na última vez que você sentou à mesa com os seus familiares, amigos, discipulador ou discípulo, houve contaminação ou todos foram purificados? A resposta você sabe qual é. É só olhar para dentro de você.

Como podem vir as contaminações?

As contaminações podem vir como palavras de desânimo, crítica, insubmissão, e muitas vezes são motivadas por brechas após brechas; são métodos e bases, argumentos que o inimigo usa como minas, porque ele sabe o que você vem guardando, escondendo... Então, no momento certo, ele traz à tona e, de repente, explodem.

Satanás é estrategista para nos tirar do centro da vontade de Deus e é veloz ao armar minas. Ele vai colocando atalhos apetitosos no caminho para o discípulo sair da rota e, aí, vem a implosão. Um prédio que levou três anos para ser construído pode ser derrubado em segundos. Assim também pode acontecer na vida de um cristão: Você pode levar três anos recebendo palavras de ânimo, mas, num instante, pode implodir tudo quanto recebeu.

Eu sempre digo que o diabo ajuda você a pecar, mas não ajuda você a esconder o pecado. Pelo contrário, ele é o primeiro a acusar e denunciar você. Por isso, precisamos conservar o patrimônio que está sendo construído, porque na hora que o inimigo quiser trabalhar para implodir, não vai conseguir.

A nossa mentalidade, como filhos de Deus, deve ser de que estamos assentados à mesa com o Pai, através do Filho. A nossa mentalidade deve ser de construção, ao passo que precisamos descobrir quais as implosões que podem chegar até nós. Se quisermos estar vigilantes e cuidar da nossa vida, temos que descobrir onde o diabo colocou as implosões e desativar essas minas. Vigie e trate de tudo o mais rápido possível.

Ao detectar alguma coisa estranha em você ou em alguém que você ama, corra e feche as brechas urgentemente. Se você ou um amigo tem tendência à prostituição, à mentira, à avareza ou outras obras da carne, corra e tire o material implosivo.

Deus é tão misericordioso que sempre nos faz enxergar as pistas. Então, se você até não estiver se enxergando, e alguém chamar a sua atenção mostrando as suas falhas, seja humilde e não use do mau-caratismo para buscar cúmplices e continuar preso às mentiras criadas por você mesmo.

Jesus quer que você sente à mesa e, ainda que esteja em pecado, Ele pode transformar a sua vida. Quando Jesus se assentava com pecadores, apesar de ser criticado, todos saíam parecidos com Ele. Jesus não saía parecido com ninguém, porque vivia conectado ao Pai. Assim também deve acontecer conosco. Passou o tempo em que nos alimentávamos da palha que o vento levava, e chegou o tempo de comermos o trigo que foi trabalhado e processado para nós. Nossa palavra deve ser de influência, de mudanças, de quebra de fortalezas. E ainda que nos critiquem, com certeza, quando virem o resultado, terão que glorificar a Deus pelas Suas maravilhas em nós.

Visualizações: 1963

Plano de Leitura Bíblica

09 Dez
Jó 11
Miqueias 7 
Tiago 3 e 4
10 Dez
Jó 12
Naum 1 e 2
Tiago 5
11 Dez
Jó 13
Naum 3
I Pedro 1
12 Dez
Jó 14
Habacuque 1
I Pedro 2
13 Dez
Jó 15
Habacuque 2
I Pedro 3 a 5
14 Dez
Jó 16 e 17
Habacuque 3
II Pe 1 e 2
15 Dez
Jó 18 e 19
Sofonias 1 
II Pe 3