“E firmarei minha aliança contigo, e extraordinariamente te multiplicarei.” (Gênesis 17:2)

Toda aliança firmada em Deus é poderosa. Em Gênesis 17:2, Deus está firmando uma aliança com a promessa de uma extraordinária multiplicação. E essa palavra é viva ainda para os nossos dias. Se fosse eu falando, dentro das minhas limitações, você poderia até avaliar, mas é Deus quem está falando. Então, o que podemos esperar é realmente algo fora do comum, fora do natural, grandioso além do que podemos pensar.

Precisamos saber que só há uma fórmula para o crescimento extraordinário de Deus se manifestar na vida de alguém que decide receber esta unção: Estando em aliança com o Senhor. A aliança do Senhor nos respalda para o crescimento em todas as áreas da nossa vida. Claro que, para isso, cabe a cada um de nós honrar os princípios da aliança que temos com Deus e com os líderes que estão sobre nós.

Na parte final do estudo O Poder da Aliança, vamos entender a real importância de cumprirmos a nossa parte e como vencer a nossa natureza adâmica que nos leva a ser infiéis na aliança que temos com o Pai.

Natureza adâmica

Desde o Éden, o homem decidiu desobedecer. E a primeira pessoa que ele decidiu desobedecer foi Deus, que representa a maior figura de autoridade no Céu e na Terra. Quando falamos de desobediência, falamos de quebra de princípios de autoridade. Um exemplo dessa quebra é o desrespeito dos filhos aos pais.

A desobediência nos faz quebrar a aliança que temos com Deus e com os homens e pode, ainda, ser considerada como uma falta de educação. Hoje vemos que a nossa sociedade é doente, porque não foi educada em casa. Muitos pais não tiveram e não têm voz de autoridade sobre os filhos, uma voz que cause impacto sobre a vida deles.

Às vezes, nós mesmos, já adultos, nos pegamos subjugando ou subestimando a voz de autoridade de nossos pais. E quando olhamos para dentro de muitos lares desajustados, o que encontramos são homens adultos agindo como crianças e exigindo dos filhos um comportamento que eles não podem corresponder, porque a paternidade e a maternidade estão sendo terceirizadas.

Quando ainda nem tínhamos a Internet, eu já alertava os pais sobre o perigo de transferir a educação dos filhos à babá eletrônica, chamada televisão, carregada de ingerências malignas na sua programação, e que formou e ainda está formando uma geração, influenciando-os e transformando-os em pessoas com a mente totalmente voltada para as coisas mundanas e longe de Deus. Quem é nosso discípulo há mais tempo lembra bem desses ensinos.

Verdade é que os anos passaram, a tecnologia avançou e muitos se perderam dentro da própria casa. O que fazer? Lutar para ter homens e mulheres reeducados, com a natureza de Adão quebrada, recebendo a natureza de Cristo, que decidam pela fidelidade na aliança com Deus e com os homens, e que saibam o real significado de obedecer, respeitar hierarquia e renunciar o que for preciso para ser aprovado no Reino de Deus.

O limite da obediência traz uma poderosa recompensa

A obediência tem um limite: Até a morte. “E, achado na forma de homem, (Jesus) humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz. Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai”. (Filipenses 2:8-11). Não é para estabelecermos nossas próprias cláusulas, artigos, etc. Se procedermos em obediência sempre, teremos uma recompensa tremenda: Seremos exaltados.

Um dia, um centurião romano foi até Jesus buscar a cura de um servo muito enfermo (Mateus 8:5-10). Nesse texto, o centurião fala sobre obediência e autoridade, e Jesus não questionou. Se fosse outra pessoa, poderia dizer: “Quem é você, para me ensinar sobre obediência?”. Mas, a Bíblia diz que Jesus se admirou, ou seja, ficou maravilhado com a fé daquele homem, que resultou na cura do servo, sem nem mesmo ir à casa do centurião, e este estrangeiro acabou sendo honrado no meio dos judeus.

O Poder da Aliança consiste em sermos obedientes, renunciarmos à herança adâmica que durante tanto tempo influenciou gerações rumo ao desespero e ao pecado e reconhecer que Deus nos libertou do jugo do pecado e que “nenhuma condenação há para aqueles que estão em Cristo Jesus...” (Romanos 8:1). Se entendermos essas cláusulas, viveremos uma vida com um testemunho irrepreensível. Podemos até não ser aceitos por homens, mas seremos aceitos por Deus. E assim, vamos reassumir a postura de restauradores dos valores de Deus na nossa vida e na vida de outros, e usufruir da multiplicação extraordinária a nós prometida em Gênesis 17:2. “E firmarei minha aliança contigo, e extraordinariamente te multiplicarei.”

Visualizações: 665

Plano de Leitura Bíblica

09 Dez
Jó 11
Miqueias 7 
Tiago 3 e 4
10 Dez
Jó 12
Naum 1 e 2
Tiago 5
11 Dez
Jó 13
Naum 3
I Pedro 1
12 Dez
Jó 14
Habacuque 1
I Pedro 2
13 Dez
Jó 15
Habacuque 2
I Pedro 3 a 5
14 Dez
Jó 16 e 17
Habacuque 3
II Pe 1 e 2
15 Dez
Jó 18 e 19
Sofonias 1 
II Pe 3