O Congresso de Mulheres de Honra 2019 começou debaixo de muita unção.

A Apóstola Ana Marita deu as boas-vindas vindas às congressistas e declarou o que elas vão viver nesses dias: “O Senhor vai efetuar grandes coisas na sua vida, Ele vai criar algo novo e lhe encher de conhecimento e sabedoria”.

Depois de um tempo de louvor e adoração, a cantora Eyshila, convidada especial desta edição do Congresso, começou a ministrar. E ela já iniciou exaltando a fidelidade do Senhor. A cada música que falava do amor e do cuidado de Deus, as mulheres se emocionavam e choravam.

Eyshla também trouxe uma palavra de edificação para as mulheres contando a trajetória de Honra de Lia, que se sentiu humilhada ao casar com Jacó, um homem que não a amava. “Não existe um abismo tão profundo que Deus não possa enxergar, Deus sabe exatamente o que você está passando, o Senhor é o Deus que te vê e que é que te chama de minha noiva, minha amada, minha querida”.

Eyshila explicou que o coração de Lia estava em Jacó e ensinou que devemos colocar o nosso coração em Deus.

O milagre sou eu

Eyshla contou o seu testemunho de libertação do marido do vício das drogas e também falou sobre a morte do filho, aos 17 anos de idade. Disse que não quer ser lembrada como a mãe que perdeu um filho porque quem perde algo não sabe onde está e ela sabe que o seu filho está com o Senhor. “Que o mundo não te conheça pela dor que você sofreu, mas pela dor que você venceu!”.

Para encerrar a primeira noite de Congresso, Eyshila cantou a música O milagre sou eu, que ela compôs depois da perda do filho, quando ouviu de Deus que ela era o grande milagre que o Senhor estava fazendo.

Visualizações: 137